Mais de 26 milhões pessoas estão desempregados revela IBGE

Mais de 26 milhões pessoas estão desempregados revela IBGE

Mais de 26 milhões pessoas estão desempregados revela IBGE

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) do Instituto Nacional de Geografia e Estatística (IBGE), divulgada nesta quinta-feira, revela que o Brasil fechou o segundo semestre deste ano com 26,3 milhões de trabalhadores desempregados ou inocupados. Esse número representa em torno de 200 mil pessoas a menos que no trimestre anterior.
A PNAD mostra ainda que, exceto Nordeste, o número de desempregados caiu em todas as grandes regiões do país, entre o 1º e o 2º trimestre do ano. Apesar disso, em relação ao ano passado, o quadro continua crítico em todas a estado regiões.

No Paraná os números de vagas de empregos Curitiba caiu muito, e as agencias não estão otimistas.

Os principais resultados da Pnad Contínua já foram divulgados no dia 28 de julho e mostraram uma taxa de desemprego de 13,0%, resultado 0,7 ponto percentual menor que no trimestre encerrado em março.
Rendato

Mais de 26 milhões pessoas estão desempregados revela IBGE

A população ocupada no 2º trimestre de 2017, estimada em 90,2 milhões de pessoas, possuía 68,0% de empregados (incluindo domésticos), 4,6% de empregadores, 24,9% de pessoas que trabalharam por conta própria e 2,4% de trabalhadores familiares auxiliares. Nas regiões Norte (31,8%) e Nordeste (29,8%), o percentual de trabalhadores por conta própria era superior ao das demais regiões. Uma boa opção é procurar site de empregos gratis e assim aumentar suas chances de conseguir uma vaga.

No 2º trimestre, 75,8% dos empregados do setor privado tinham carteira de trabalho assinada. As regiões Nordeste (60,8%) e Norte (59,0%) tinham as menores estimativas desse indicador. Entre os trabalhadores domésticos, a pesquisa mostrou que 30,6% deles tinham carteira de trabalho assinada. No mesmo trimestre de 2016, essa proporção havia sido de 33,2%.

Tanto o rendimento médio real (R$ 2.104) de todos os trabalhos quanto a massa de rendimento médio real (R$ 185,1 bilhões) ficaram estáveis no 2º trimestre de 2017.

Deixe um comentário